Joana

Olá!

Bem-vinda ao a(m)arte blog, que nasce da vontade de contar a minha história, como mulher portadora da síndrome Mayer-Rokitansky-Küster-Hauser, mas não só. É o ponto de encontro de várias histórias e informação útil que vai ajudar todas as mulheres, em especial as que na sua viagem levam o peso da (in)fertilidade.

Um espaço inteiramente de partilha e dedicado a nós mulheres, que nos devemos amar com as nossas (im)perfeições.

a(m)arte é a arte de ser mulher, de nos amarmos na plenitude.

A importância da lubrificação.

A importância da lubrificação.

Olá,

Espero que a semana tenha sido boa, cheia de energia e alegrias.
A minha foi especial, o Tico fez 32 anos, está a ficar crescido o meu rapaz!

Hoje gostava de vos falar sobre a lubrificação feminina! Que tem um papel muito importante na nossa vida sexual. Contudo, todas somos diferentes, até na lubrificação!
Na realidade Rokitansky a lubrificação tem a ver com o tipo de operação, mas vamos perceber um bocadinho mais sobre a sua importância.
A lubrificação feminina é a forma como o nosso corpo responde à excitação sexual, é um indicador físico de prazer que demonstra o desejo que estamos a ter naquele momento. Fazendo com que a penetração aconteça sem desconforto, pois não é suposto haver dor durante o ato sexual. A lubrificação pode partir das secreções do colo do útero e das glândulas de Bartholin ou glândulas vestibulares maiores – glândulas alojadas na parede vaginal com função de lubrificar o canal vaginal.
No meu caso, a minha técnica cirúrgica, Wilflingseder (intestino delgado), faz com que lubrifique muito bem, tão bem que tenho de usar um pensinho diário todos os dias. Se a minha técnica tivesse sido outra, com pele, já não era assim. É o que acontece a uma amiga MRKH, operada com pele, apesar de estar excitada, cheia de desejo, o corpo não responde aos estímulos, ou seja, não lubrifica. Lembro-me de falar com ela, dizia-me que era desconfortável e que às vezes tinha dores. O que não é suposto.

Algumas mulheres não conseguem lubrificar ou lubrificam pouco, o que provoca dores durante o ato sexual. Nestes casos o ideal é falar com a ginecologista, para que com a sua ajuda se possa ter uma vida sexual ativa e saudável, mesmo que se tenha de recorrer a um lubrificante ou outro recurso.

É importante estares bem, em plena conexão contigo e com o teu parceiro.

Boa semana.

Coragem.

Coragem.

Empoderamento.

Empoderamento.